segunda-feira, 16 de julho de 2012

Sons do silêncio




Ando ouvindo o silêncio
Que me diz bastante
Sobre mim e sobre tudo
Sobretudo acerca do hoje

A solidão no burburinho
Uma alma isolada, alheia
Desconectada do círculo
Do caos que lhe acerca

O som do silêncio clama
Anseia por paz e calma
A quietude que constrói
Remetendo a si mesmo

Sigo sempre aprendendo
Ouvindo, calando, vendo
Sentindo o cheiro do ar
A brisa acaricando a face

Pouca coisa hoje me distrai
Me tira de minha meditação
Perguntam-me porque calo
A resposta é sempre uma só

Um sorriso de canto de boca
Analisando, lendo o momento
Ouvindo, sentindo o vozerio
Por ora nada falo, apenas sorrio

Preparo-me nesse aparente vazio
Ensaiando os passos necessários
O caminhar é certo, há que ser
Jamais subestime um leonino

Um comentário:

  1. Esse teu silêncio grita... Basta calar a alma e pô-la a ouvir...

    ResponderExcluir