quinta-feira, 24 de março de 2011

Aterrissando o planador. Vôo a vela no Aeroclube do Planalto Central, em Formosa-GO. Tarde do dia 20 de março de 2011. Marcelo Vianna no comando da aeronave e Ronald Mignone à frente do cockpit.
O vídeo de todo o vôo pode ser assistido em http://www.youtube.com/watch?v=ktHOsH7VjgQ

segunda-feira, 21 de março de 2011

Momento Mágico


Contemplação pura 
tarde do dia 20 de março de 2011
Céu de Formosa-GO

Planador - O Vôo Mágico

Há momentos em nossas vidas que são mágicos, que ficam gravados em nossa mente e é até difícil de descrevê-los. 
O domingo do dia 20 de março de 2011 foi um deles... meu amigo Marcelo Vianna, companheiro de trilhas de jipe e de vários outros momentos bons desde 1999 em Brasília, havia me convidado na sexta-feira que antecedeu esse domingo para fazer um vôo de planador, ou um "vôo a vela", como os aficcionados gostam de falar.
Marcelo passou na minha casa por volta das nove horas da manhã do domingo, com destino ao Aeroclube do Planalto Central, em Formosa-GO, distante oitenta quilômetros de Brasília, onde ele tem dois planadores em sociedade com amigos.
O tempo estava meio nublado, mas ele disse que daria para voar. Chegamos em Formosa por volta das dez horas e o tempo estava muito esquisito. Nuvens de chuva pesadas, já com precipitações ao norte, ao sul, a oeste e a leste, só com uma janela de tempo razoável em cima do aeroclube, único local onde não caiu uma gota d'água.
Resolvemos esperar para ver se esse mau tempo que nos circundava iria se dissipar e aproveitamos para fazer uma manutenção no planador monoposto, que não iria voar naquele dia. Aproveitei para ter uma aula teórica fantástica de vôo a vela com Marcelo, Rebelo e o André "Roubada", que pilota o avião rebocador.
Falando no André, quando eu soube o apelido dele, fiquei meio apreensivo de voar, afinal qualquer pessoa com um pouco de sanidade mental ficaria mesmo meio cabreiro ao saber que o piloto que rebocará o planador onde estaria dentro tem um apelido desses. Só depois fiquei sabendo a razão do apelido, que tem a ver com uma mania que ele tinha de usar muito esse termo em instruções. E apelido quando pega, já era. Ainda bem que não tinha nada a ver com alguma roubada que ele tivesse entrado voando. E o cara é bom no manche.
O tempo abriu por volta das três horas da tarde e resolvemos fazer os vôos. Fui com o "Roubada" fazer o primeiro vôo do dia com o Aero Boero (o rebocador), para checagem do aparelho, para conferir se estava tudo certo para iniciar os vôos. Marcelo pegou o planador de vôo em dupla do aeroclube e levou-o para a pista.
A corda que é usada para rebocar o planador é uma que se usa em rapel, fina nada exagerada. Confesso que fiquei meio receoso dela se partir na decolagem, mas me garantiram que o ideal é que ela seja mais fina mesmo, como se fosse um fusível de segurança, para permitir que se parta em situações de emergência. Aliás, emergência é uma palavra que dá arrepios quando se fala dela em aviação, mas como sou movido a adrenalina, abstraio dela, focando nos procedimentos de segurança antes e durante o vôo.
O Rebelo fez dois vôos duplos antes de mim e do Marcelo. Iniciamos nosso vôo às quatro e vinte da tarde, com várias nuvens baixas à nossa volta, o que dava um visual fantástico, pois é raro voar de planador com nuvens abaixo dele.
O Aero Boero, mesmo com seu motor de 180 hp, urrava para tentar nos levar a dois mil pés, cerca de seiscentos metros de altitude, onde desacoplaríamos e iniciaríamos o vôo sem motor, só ouvindo o barulho do vento. Os dois (piloto e aluno) que fizeram o vôo imediatamente anterior ao nosso eram visivelmente menores e mais leves que a gente e notei bem a diferença do tempo e do esforço que o Aero Boero fez conosco para nos levar àquela altiude.
Ao desacoplarmos, imediatamente tivemos uma vista deslumbrante, de uma janelinha de chuva a leste, com um arco-íris descendo até o solo, Tiramos várias fotos, mas a melhor delas foi tirada pelo "Roubada", na primeira curva que fez, passando abaixo da gente logo depois que desacoplamos.
O vôo todo, desde o reboque até aterrisarmos, durou vinte e oito minutos, e posso afirmar que foi um dos melhores momentos que vivi, juntando a sensação de voar sem motor, só ouvindo o barulho do vento, com as nuvens ao nosso redor, com o planador literalmente lambendo-as, já que, ao descermos, vimos suas asas molhadas delas.
Já voei de ultraleve, mas voar de planador é inigualável. A suavidade do vôo, a estratégia e a técnica para não perder o momento correto de aterrissar, pois não se tem outra chance, não dando para arremeter numa aproximação de pista mal executada, são únicas. 
Posso afirmar mesmo que foi um dos meus melhores dias em toda a minha vida. As fotos tiradas, em especial a tirada pelo "Roubada" do nosso planador e do arco-íris faz-nos ter certeza de que Deus existe. Olhem a foto e vejam se não tenho razão.
Se eu já tinha o vírus do vôo no meu corpo, com esse vôo à vela meu corpo inteiro foi infectado por ele agora.
Vindo a Brasília de novo, certamente repetirei isso. Obrigado, Marcelo, por me proporcionar esses belos momentos.
Namastê!

domingo, 20 de março de 2011

Quando foi a última vez que você fez algo pela primeira vez?

Essa frase, ou melhor, essa provocação, foi postada pela minha amiga Luciana Fernandes no finalzinho do ano passado em seu blog e é uma pergunta que sempre procuro me fazer.
Penso que as pessoas seriam mais felizes se fizessem a si mesmas essa pergunta e pudessem responder sempre que não tem muito tempo que isso aconteceu em suas vidas.
Sou suspeito para falar, pois sou um viciado em  adrenalina e volta e meia faço coisas pela primeira vez.
Aliás, acho mesmo, tenho isso como filosofia de vida, ou seja, penso que deve-se sempre ter a experiência de se viver algo novo em nossa experiência terrena.
Realizar ações, fazer coisas novas que fiquem não só na nossa mente, mas em nossos corações também, como uma lembrança de algo bom que não se perderá jamais.
Hoje isso irá acontecer de novo, pois daqui a pouco irei voar de planador com meu amigo Marcelo Vianna, daqui de Brasília, relembrando meus tempos de ultraleve na década de 90, com meus amigos André Oliveira e Sérgio Dolghi, cujas histórias estão eternizadas em meu livro "Crônicas da História de Marataízes".
Para aumentar a dose de adrenalina, irei sem paraquedas, pois ele pesa sete quilos e o peso de nós dois conjugado com ele ultrapassaria o máximo que se pode embarcar para voar.
Como confio bastante no Marcelo e se algo der errado dará para ele também (risos), vou encarar essa aventura sem o equipamento de segurança mesmo. 
De qualquer forma, não esperava mesmo que meu debut em saltar de paraquedas fosse acontecer hoje.
Pretendo filmar tudo e postar aqui o vídeo para compartilhar as sensações que irei viver mais tarde.
Até mais tarde!
Carpe diem!

sábado, 19 de março de 2011

Noite de sábado tem maior Lua cheia dos últimos 18 anos


GAZETAWEB.COM
19.03.2011 | 21h08


Ciência


Noite de sábado tem maior Lua cheia dos últimos 18 anos
Astrônomo Cássio Barbosa explica porque a Lua está mais perto da Terra



Hoje, 19 de março, é dia de lua cheia. Basta olhar no calendário, mas anote aí, essa não será uma lua cheia qualquer. Você verá (se o tempo ajudar, é claro) a maior lua cheia dos últimos 18 anos.

A órbita da lua em torno da Terra não é uma circunferência com a Terra no centro. Na verdade, tem uma forma ovalada que se chama elipse. Nesse caso, a Terra ocupa um dos focos dessa elipse e, como a distância entre a Terra e a lua não é constante, há momentos em que os dois astros estão mais próximos ou mais distantes um do outro. Isso também acontece com todos os planetas do Sistema Solar e o sol.


Quando a lua está no seu ponto de máxima aproximação, dizemos que ela está no perigeu. Quando está no ponto de máximo afastamento, dizemos que está no apogeu. A diferença entre apogeu e perigeu é de aproximadamente 50 mil km. Nada que possa causar algum dano na Terra, mas certamente isso tem alguns reflexos.

A lua cheia de amanhã será a maior já vista desde março de 1993. Mas… maior quanto?

O diâmetro observado da Lua no céu vai parecer 14% maior. Pouca coisa para ser notado, talvez, mas seu brilho será por volta de 33% mais intenso. Em regiões muito iluminadas, isso também deve passar despercebido, mas em regiões mais escuras, sobretudo longe das grandes cidades, essa diferença de brilho será fantástica.

Nessa ocasião, também observamos a “maré de perigeu”, que vem a ser uma maré alta mais alta que o comum. Nada de pânico! A Lua no perigeu deve aumentar a altura da maré em alguns centímetros apenas. Em alguns poucos lugares, a diferença pode chegar a 15 cm.

Então é isso. Vamos torcer para que o tempo esteja bom e curtir a super lua cheia. Outra dessas só daqui a 18 anos!

quinta-feira, 17 de março de 2011

Boteco Literário no dia 18 de março de 2011

BOTECO LITERÁRIO EM BRASÍLIA


No dia 18 de março de 2011, sexta-feira, a partir das 18h, ocorrerá o boteco literário no Paulicéia, na 113 Sul, em Brasília, onde estarei lançando na cidade o livro "Crônicas da História de Marataízes - Um olhar sobre a cidade" e fazendo as dedicatórias.

O livro conta a história da região, riquíssima de fatos e personagens desde o início do século XVI, passando depois aos "causos" acontecidos na cidade, tudo numa linguagem gostosa de ler, que prende a atenção do leitor até o final.

Sintam-se todos convidados!

quarta-feira, 16 de março de 2011

GRUPO ENCAMINHA PROPOSTA PARA RESTAURAÇÃO DO IATE CLUBE DE MARATAÍZES




O JORNAL
Cidades
16/03/2011 - 11:51:00

Victor Moura


GRUPO ENCAMINHA PROPOSTA PARA RESTAURAÇÃO DO IATE CLUBE DE MARATAÍZES

Marataízes, ES
Representantes do grupo “Iate Total”, da prefeitura de Marataízes e da atual administração do clube estiveram reunidos na noite de ontem (15), no Centro de Convivência do município para discutir os possíveis rumos do Iate Clube local. A reunião foi iniciada com a apresentação de slides, que relembraram os áureos tempos do clube, passando pelo seu estado atual e pela expectativa para os próximos anos.

A situação jurídica da entidade, bem como as dívidas e a questão dos sócios também foram abordadas. O atual presidente do Iate, o empresário Sérgio Menezes, contestou a cobrança do IPTU do clube. “Existe uma lei que isenta igrejas, entidades de utilidade pública e clubes recreativos do imposto. Não entendo essa cobrança”, argumentou. De acordo com as informações da prefeitura, a dívida ultrapassa os R$ 500 mil.

O grupo aproveitou a oportunidade para apresentar as suas ideias para o clube. “Queremos um espaço que seja para o benefício de toda a comunidade, com esporte, cultura e lazer”, disse Zulmira Fontes, uma das representantes do grupo. Também presente na reunião, a secretária de Assistência Social e Habitação, Angelina Faria, falou de alguns projetos que não são executados por falta de local apropriado. “O Iate é um espaço excelente para colocarmos em prática algumas das nossas propostas”, garantiu.

Próximos passos
Representada pelo procurador, Claudemir de Oliveira, e por Vilsimar Batista, controlador geral, a prefeitura cobrou do clube a sua regularização e do grupo um projeto que seja viável e justifique a intervenção do município na questão.

Segundo o advogado Mário Nemer (foto), que também representa o grupo, será apresentado à prefeitura um projeto consistente para o clube num prazo mínimo de uma semana. “A reunião foi muito proveitosa. Agora, vamos sentar com a direção do clube para discutir a sua regularização e elaborar o projeto para a administração municipal”, declarou.

terça-feira, 15 de março de 2011

Grupo Iate Total promove reunião hoje

Jornal O litoral
15/03/2011 às 16:30

Grupo Iate Total promove reunião hoje

Marataízes-ES: Com o grito: “Eu quero o Iate de volta!” o Grupo Iate Total vem mobilizando toda a sociedade em socorro ao prédio. Está prevista para hoje um encontro com autoridades, sócios e ex-sócios, sociedade e a atual administração do Iate Clube de Marataízes, as 18 horas no Centro de Convivência, atrás do Fórum da cidade.

Em pauta a discussão será os novos rumos para o futuro do referido clube que hoje encontra-se em ruínas e correndo o risco de desaparecer.

Segundo informações através de membros do movimento, está confirmada a presença do prefeito municipal, Jander Nunes Vidal e de alguns secretários municipais e membros da sociedade.

O grupo, formado por pessoas que amam Marataízes e não se conformam com o atual estado do Iate,  ganhou força pela internet através da rede social, facebook.

O grupo vem promovendo diversos encontros e ações que tendem a chamar a atenção da sociedade e dos nossos representantes para o que está acontecendo há anos com o Iate Clube de Marataízes. O assunto vem ganhando força na mídia e atraindo mais adeptos ao movimento. 

No último dia 06 de março, domingo de carnaval, mesmo embaixo de muita chuva, aconteceu um abraço simbólico ao Iate, que hoje encontra-se desativado, servindo apenas para um banho de piscina a R$ 8 reais. O desejo do grupo é que a cidade acorde a tempo de que algo seja feito, URGENTE, pela revitalização do Clube, que guarda lembranças de um dos melhores e mais famosos carnavais do sul do estado.

Crônicas da História de Marataízes - Um olhar sobre a cidade

Capa do livro
   No dia 29 de dezembro de 2010, aconteceu o lançamento do livro que escrevi, intitulado "Crônicas da História de Marataízes". 
   O livro faz um passeio pela história da região, rica de fatos e de personagens desde a época do descobrimento do Brasil, contando-os de forma leve, instigando o leitor.
   O coquetel de lançamento e a noite de autógrafos foi realizado no Café da Loja, em Marataízes, tendo sido um evento concorridíssimo, que movimentou a cidade.
   O lançamento do livro, bem como sua repercussão, foram notícia em vários jornais da região.
   O livro pode ser adquirido diretamente com o autor pelo e-mail ronaldmignone@hotmail.com